quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Da nossa relação: meu amor, sua frieza




Você sabia desde o inicio. Você usou disso ao seu favor, não soube segurar a sua prepotência masculina. Você me queria rastejando aos seus pés. Eu rastejei. Desdobrava-me pra chamar tua atenção, fazia performances no corredor pra que nossos olhos se encontrassem. Você me punindo ou não com teu olhar, eu os queria comigo.

Foi por muito tempo um remédio nas minhas manhãs, recebi doses demais. Sem saber ao certo e sem minha exata percepção se transformara em veneno. Minha doença ficou alterada.

Fazia bem ao teu ego. Diminuía a minha dor. No exato momento dos nossos olhos se encontrarem, da observação recíproca, do beijo quente, o mundo era nosso, aquilo se materializava de alguma forma, mas duravam poucos segundos pra você.

Hoje eu sei que você não sabe nada sobre mim, mesmo eu perdendo o juízo e nossa relação ficando evidente a todos, você até hoje não sabe nada sobre mim. Ao contrario de mim, é claro: a idiota apaixonada.

Mas sabe, eu não mudei por ter me decepcionado nem pelos fatos que gritavam na minha cara que eu devia desistir de você. Foi por mim, por minha saúde mental, por saber que existe alguém que realmente merece meu amor. Foi por saber que no final das contas ao mesmo tempo em que você tinha tudo a ver comigo, você não sabia nada sobre mim.